3ª Etapa Endurance Sigma-4051b.jpg

BIOGRAFIA

baixa_image1.jpeg
Nome
Erik Mayrink

Idade
27 anos (01/09/1995)

Nacionalidade
Brasileiro
AGPHOTO5.JPG
Hobbies
Kart, Automobilismo Virtual, Musculação

Idiomas
Português, Inglês

Altura e peso
1,85m / 75kg

Erik Mayrink é um piloto brasileiro de automobilismo nascido em 1995.

 

Com mais de 20 anos de experiência com corridas, Erik é um piloto extremamente focado e determinado. Vive pelo automobilismo e tem uma rotina dedicada ao esporte.
Para treinamento técnico, tático e cognitivo, Erik realiza treinos semanais de Kart Shifter, faz uma preparação minuciosa em simuladores profissionais de corrida e, sempre que possível, treinos extra-oficiais preparatórios com o carro da temporada.
Pelo preparo físico, faz no mínimo duas horas de academia todos os dias, divididas em musculação (exercícios com foco em força e resistência muscular, junto com fortalecimento e estabilização de core), exercícios cardiovasculares (corrida e bicicleta) e um treino de mobilidade (alongamento com foco em flexibilidade e equilíbrio).

 

Erik iniciou sua carreira de piloto aos 6 anos de idade.

Entre os anos de 2002 e 2015 disputou dezenas de campeonatos nacionais e regionais de kart nas categorias Cadete, Junior Menor, Junior, Graduados e Shifter.

Erik já foi campeão das 500 Milhas de Kart pela categoria B, realizadas no Kartódromo Internacional Granja Viana. A competição é o maior evento do kartismo nacional e costuma contar com mais de 250 pilotos profissionais.

Em 2016 fez sua estreia nas categorias de turismo através do Campeonato Paulista de Marcas, pilotando um Chevrolet Celta com motor GM 1.4 de 180cv, câmbio manual e tração dianteira da equipe Arias Motorsport.

Disputou no que era, na época, o maior grid do Brasil, com uma média de 40 carros por etapa, divididos em mais de 10 montadoras diferentes e 3 divisões. Erik se consagrou o campeão da temporada. 

Em 2017 migrou para a Sprint Race Brasil. A categoria de nível nacional era monomarca, de equipe única e era considerada a base do turismo no Brasil.

Erik pilotou um protótipo de chassis tubular com motor V6 3.6L de 270cv, câmbio sequencial com powershift e uma carenagem em fibra, carro antigamente usado na Copa Super Clio. O comportamento dos carros em pista se assemelhava aos modelos de fórmula, devido ao baixo centro de gravidade, a posição central do piloto dentro do carro e ao motor traseiro.

Erik disputou o título da categoria PRO e foi vice-campeão da divisão rookie da categoria.

Em 2018 e 2019 disputou a Stock Car, pela divisão Light. A categoria havia sido criada para substituir o Campeonato Brasileiro de Turismo como a porta de entrada para a mais alta categoria de automobilismo do Brasil e fazia parte do maior evento automobilístico da América do Sul.

Erik pilotou um Stock Car de chassis tubular com motor Chevrolet V8 5.7L de 350cv, câmbio sequencial e uma carenagem padrão em fibra.

Disputou sua primeira temporada pela equipe TMG Light Team e a segunda pela KTF Sports.

Foi vice-campeão da divisão Rookie e conquistou o título do campeonato de equipes em 2019.

Em 2020 e 2021 deu início a sua carreira internacional através do Lamborghini Super Trofeo Europe.

Erik pilotou um Lamborghini Huracán Super Trofeo EVO da equipe Italiana Bonaldi Motorsport. O carro de Gran Turismo foi desenvolvido pela Lamborghini Squadra Corse junto com a Dallara Automobili. Possuía um chassis híbrido de fibra de carbono com alumínio e um motor V10 aspirado de 5.2L e 620cv. Contava com uma transmissão X-Trac sequencial, TCS e ABS.

O campeonato era monomarca e subsidiado pela Lamborghini. Fazia suporte para o GT World Challenge, antigo Blancpain GT Series e FIA GT. Consequentemente, o evento acompanhava o maior campeonato de Gran Turismo do mundo e fazia parte de alguns dos maiores eventos automobilísticos existentes.

Em 2022 voltou ao Brasil para disputar o Campeonato Brasileiro de Endurance. 

Erik pilotou o Protótipo Sigma P1, preparado pelas equipes FTR Motorsport e Scuderia Chiarelli. O carro possuía linhas e proporções de protótipos LMP e contava com um chassis tubular de aço e carenagem fechada. Possuía um motor Chevrolet LS3 V8 7.0L com potência máxima de 700cv, transmissão sequencial, TCS, ABS e um sistema de redução de arrasto, composto por asas dianteiras e traseiras móveis, além de pesar apenas 900kg. 

O campeonato era a maior competição nacional de provas de longa distância, com corridas de 4h de duração. Também contava com os carros de corrida mais rápidos do Brasil, entre protótipos e carros de GT. Erik disputou pela divisão P1, a principal da categoria.